fbpx
Connect with us

MUNDO CRISTÃO

Mãe e filhos de cristão são queimados até a morte por radicais muçulmanos, em Uganda

Published

on

Mãe e filhos de cristão são queimados até a morte por radicais muçulmanos, em Uganda

Um cristão de 36 anos perto de Kampala, Uganda, está de luto pela morte de seu filho, filha, mãe e padrasto, que foram mortos quando extremistas muçulmanos incendiaram sua casa sete semanas atrás, informa o Morning Star News.

Antes dos muçulmanos radicais incendiarem a casa de Ali Nakabale em 20 de agosto em Nakaseke, que fica a cerca de 50 quilômetros de Kampala, sua esposa e outros muçulmanos da área ficaram furiosos por ele e sua mãe terem se convertido do islamismo ao cristianismo.

Nakabale e sua mãe Nankya Hamidah, de 56 anos, entregaram suas vidas a Jesus em um evento evangelístico ao ar livre em agosto de 2018.

“Acabei de visitar minha tia apenas para receber notícias tristes da queima de nossa casa”, disse Nakabale, perturbado, ao Morning Star News por telefone.

“Ao chegar em casa, encontrei-a destruída pelo fogo que queimou meus quatro membros da família, incluindo meus dois filhos. Ao chegar ao necrotério, encontrei seus corpos queimados além do reconhecimento”, declarou o homem.

Joseph Masembe foi morto junto com Hamidah, que também deixou o Islã para seguir a Cristo e se casou com Hamidah em novembro de 2018 após a morte de seu marido no início daquele ano. A filha de 9 anos de Nakabale, Afsa Lawada; e seu filho de 6 anos, Yakubu Njabuga também foram vítimas dos crimes.

Um vizinho disse ao Morning Star News que ele e outros tomaram conhecimento do incêndio às 1 da manhã de 20 de agosto.

“Vimos fogo saindo da casa de Hamidah com gritos altos dos muçulmanos dizendo: ‘Alá Akbar [Deus é maior]'”, disse o vizinho sob condição de anonimato. “Chegando ao local do incidente, descobrimos que a casa havia sido demolida, matando os quatro membros da família.”

Nakabale disse que o líder da mesquita na área de Kyanja, em Nakaseke, havia escrito uma carta a seu padrasto, Masembe, afirmando: “Chegou ao nosso conhecimento que, desde que você se casou com Hamidah, você não compareceu à mesquita.”

“Nesse momento, percebi que os muçulmanos estavam monitorando nossos movimentos”, disse Nakabale ao Morning Star News.

Os parentes descobriram pela primeira vez a fé cristã de Nakabale e seus familiares em maio, depois que ele trouxe seu filho para participar de um culto noturno. No dia seguinte, seu filho, Njabuga, contou sua experiência no culto à mãe, Sandra Nakamada, 32 anos. Ela ficou furiosa e começou a bater no filho, disse Nakabale.

“Quando minha esposa começou a espancar meu filho, condenando sua ação de ir à igreja, eu soube que nossa visita às orações da noite havia vazado”, disse Nakabale. “No mesmo dia, minha esposa me deixou e saiu de casa. Ficamos assustados porque sabíamos que nossas vidas estavam em perigo. Por três meses, nenhum muçulmano visitou nossa casa.”

Ele contou que, durante esse período, sua mãe Hamidah cuidava de seus dois filhos.

Nakabale, sua mãe e padrasto frequentavam secretamente o culto noturno de uma igreja não revelada desde dezembro, sem a esposa e os filhos.

Ele disse que em abril seu padrasto construiu um matadouro de carne de porco perto de sua propriedade, levando os muçulmanos da área a questionar sua suposta fé islâmica – e a destruir o matadouro, pois a carne de porco é proibida no Islã.

“Foi em 15 de abril que os muçulmanos destruíram nosso matadouro, após o incitamento do irmão do xeique Jamada, alegando que Masembe estava praticando atos proibidos”, disse Nakabale.

Nakabale relatou a morte de seus quatro membros da família à polícia, que entrou com um caso e está investigando. Deprimido e de luto, ele teme por sua vida e vive em um local não revelado, disse uma fonte.

“Nakabale está deprimido e está questionando Deus sobre a morte brutal de seus dois filhos pequenos”, disse outra fonte cujo nome não foi revelado por razões de segurança. “Ele precisa de aconselhamento e orações neste momento difícil.”

Também no centro de Uganda, em julho, uma viúva foi forçada a fugir de casa depois de receber ameaças islâmicas quando muçulmanos da área descobriram que ela era cristã. Tais incidentes são os mais recentes de muitos casos de perseguição de cristãos em Uganda que o Morning Star News documentou.

A constituição de Uganda e outras leis preveem a liberdade religiosa, incluindo o direito de propagar a fé de alguém e converter-se de uma fé para outra.

Os muçulmanos representam não mais de 12% da população de Uganda, com altas concentrações nas áreas orientais do país.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2019 Noticia Gospel

%d blogueiros gostam disto: