Connect with us

MUNDO CRISTÃO

Menino judeu é espancado e proibido de usar quipá na escola, em Cuba

Published

on

Menino judeu é espancado e proibido de usar quipá na escola, em Cuba

Um garoto de 12 anos foi proibido pelas autoridades educacionais cubanas de entrar em sua escola enquanto usava a quipá judaica desde 11 de dezembro, o que o impediu de continuar seus estudos.

Seu irmão mais novo também foi impedido de entrar na escola e as autoridades ameaçaram abrir processos legais contra seus pais.

A proibição da quipá foi imposta pelo diretor municipal de Educação de Nuevitas, Osdeini Hernández Navarro.

Uma comissão do governo considerou um guarda escolar culpado por não proteger o garoto, Liusdan Martínez Lescaille, que é espancado regularmente por colegas desde que a família se mudou para Nuevitas em 2016.

Na sexta-feira, 20 de dezembro, o Secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo anunciou que Cuba foi incluída na Lista Especial de Vigilância (SWL) do Departamento de Estado para governos que ‘se envolveram ou toleraram violações graves da liberdade religiosa’.

Segundo os pais do menino, Olainis Tejada Beltrán e Yeliney Lescaille Prebal, membros da comunidade sefardita Bnei Anusim, o filho foi ridicularizado logo depois que começaram as aulas em setembro de 2019 na Escola Secundária Básica Urbana da América Latina em Nuevitas.

Desde então, ele foi submetido a quatro espancamentos severos, instigados por um colega de classe que é filho de um capitão militar, junto com outros estudantes.

Apesar das múltiplas queixas dos pais à professora de Martínez Lescaille, que é a diretora da escola, nenhuma ação foi tomada para proteger a criança.

Denúncias

Depois que Tejada Beltrán denunciou publicamente o tratamento de seu filho na mídia independente, as autoridades educacionais cubanas criaram uma comissão para analisar a situação de seu filho.

No entanto, durante esse período, ele foi pressionado pelos administradores da escola em várias ocasiões a retirar suas queixas. A certa altura, houve uma tentativa do diretor da escola de expulsar o filho por supostos atos de violência, no entanto, cinco professores intervieram para defender Martínez Lescaille e a expulsão não ocorreu.

Em 11 de dezembro, a comissão anunciou suas descobertas, responsabilizando um guarda escolar por não interromper os ataques a Martínez Lescaille. No entanto, em vez de sancionar a guarda, uma proibição da quipá foi adotada.

Tejada Beltrán pediu a revogação da proibição, lembrando que ela efetivamente proíbe o filho de entrar no recinto da escola e que não há outras alternativas educacionais.

Em 17 de dezembro, Liusdan e seu irmão mais novo, Daniel Moises, foram impedidos de entrar na escola por Hernández Navarro, porque eles continuam usando a quipá.

Na tarde de 18 de dezembro, o promotor municipal Ismaray Vidal Marques convocou Tejada Beltrán e Lescaille Prebal para comparecer ao escritório do promotor às 10h do dia seguinte.

Depois de cumprir a intimação, o casal foi ameaçado pelas autoridades que advertiram que seus filhos seriam levados e o casal preso por “ameaçar o desenvolvimento normal das crianças”.

Bullying

O bullying de crianças na escola por causa de suas crenças religiosas ou de seus pais é relativamente comum em Cuba.

Em 2019, a CSW recebeu vários casos em que os filhos de pastores cristãos tiveram oportunidades educacionais negadas ou destacaram porque seus pais têm ‘ideias contrarrevolucionárias’.

O pastor Ramon Rigal e sua esposa Ayda Expósito estão atualmente cumprindo penas de prisão no leste de Cuba por sua decisão de educar em casa seus filhos depois que eles foram vítimas de bullying organizado, incluindo agressões físicas em uma escola administrada pelo governo.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2019 Noticia Gospel

%d blogueiros gostam disto: